Entendendo a raiva por trás do Console Wars

Entendendo a raiva por trás do Console Wars

Salve salve pessoal…

Você já parou realmente para pensar sobre o que é a Console Wars, e como ela deteoriora o ambiente gamer?

O ser humano sempre foi um ser polarizado, muitos são sempre 8 ou 80, se existirem duas cores, muitos escolheriam a cor 1, e muitos a cor 2. Porém sempre existe no meio disso os neutros, os que não se importam com a cor 1 e com a cor 2 e sim enxergar as cores e ver cada uma delas.

Mas no mercado atual de console, o que justifica tanta raiva em comentários de notícias, fóruns ou tudo mais? Somente por causa de um simples videogame que era para trazer alegria? Mas quando surgiu o Console Wars? E por quais motivos ele hoje toma conta de cada vez mais pessoas?

Console Wars
Console Wars

Nos primórdios dos consoles, havia paz e luz entre todos rs… Imagine por exemplo, que a maioria que tinha um Atari, não se importava se seu amigo tinha um Nintendinho (e vice e versa), ambos queriam aproveitar os jogos ou até mesmo jogarem juntos em algum fliperama.

Arcades americanos de 1980s
Arcades americanos de 1980s

Até mesmo quando a SEGA começou a entrar no mercado de consoles, a política dela era de não agressividade, pois no Japão, eles possuem esse tipo de marketing, onde cada produto tem seu espaço no mercado, e se quer ganhar mercado, que seja destacando sua biblioteca de jogos.

Tudo começou com o lançamento americano do Genesis (para nós brazucas, o Mega Drive), e suas propagandas agressivas. Pois a SEGA da América pensava, a Nintendo tem quase todo o mercado americano, como vamos conseguir popularizar nosso console? Assim, nascia propagandas como Genesis Does What Nintendon’t (Genesis faz o que a Nintendo não com trocadilho), e começou a mostrar que o Genesis seria para pessoas descoladas, e o Super Nintendo para crianças menores.

O Mega Drive faz o que a Nintendo não faz
O Mega Drive faz o que a Nintendo não faz

Essa foi a primeira ruptura no mundo dos games, onde começou-se a verdadeira polarização dos lados, quase tudo começou a se criar competições SEGA x Nintendo, Sonic x Mario, SNK x Capcom, Virtua Fighter x Tekken, Mode 7 (Snes) x Blast Processing (Mega Drive), etc… Com o tempo as empresas foram aproveitando mais e mais as rivalidades, como no comercial do Crash Bandicoot que ele “xingava” o Mario e a Nintendo.

Para as empresas era bom ter consumidores como fãs de sua marca defendendo com unhas e dentes, mas no futuro veríamos que estava se começando a criar um ambiente tóxico para os jogadores.

Ambiente tóxico na Internet
Ambiente tóxico na Internet

Nessa mesma época ainda, muitas pessoas eram mais neutras e pensavam nos jogos como um meio de entretenimento, lembro que eu mesmo ia em locadoras, e muitas vezes via os mesmos caras jogando em Playstation, Nintendo 64 ou Sega Saturn, cada um tinha jogos excelentes, o que importava era aproveitar o jogo.

Mas assim como eu via pessoas neutras que queriam jogar, também via alguns comentários como “Olha a árvore do Mario 64, parece um desenho”, ou “Olha esse jogo do Sega Saturn, nem tem transparência” ou “Nossa o The King Of Fighters do Play 1 tem tanto loading que você nem joga, só espera”.

A mídia sempre influenciando as guerras de consoles
A mídia sempre influenciando as guerras de consoles

Acontece pessoal, que esses jovens tóxicos existiam naqueles ambientes ou nas discussões em rodinhas na escola, com um comportamento de não entender o que outras pessoas gostam, e apenas o que ela gosta deve ser aceito como razão absoluta, e ao invés de se divertirem com um videogame, torcem para a queda de alguma grande empresa.

Um exemplo que falo e que aconteceu aqui em Bauru há um tempo atrás, um amigo meu, uma vez estava com uma camisa do Palmeiras, e passou em uma esquina e quando ele viu, no meio da outra quadra estava uma torcida organizada de um clube oposto, os caras só por causa do time, começaram a correr atrás dele. Isso para demonstrar a intolerância humana perante diferenças (um detalhe, é que moro no interior paulista, lugar bem mais tranquilo que a capital quanto a rivalidade de clubes, diga-se de passagem).

Jogo do Pelé para o Atari (baita jogo), apenas para descontrair a postagem rs
Jogo do Pelé para o Atari (baita jogo), apenas para descontrair a postagem rs

Na questão estratégia, a Microsoft e a Sony acabaram ficando no que os especialistas chamam de Red Ocean (oceano vermelho, lugar onde várias empresas competem entre si no mesmo mercado), ou seja, uma competição direta entre as duas, que vai desde Jogo A x Jogo B, como recursos dos games como Xbox Live x PSN, assim como até mesmo dados técnicos (aqueles tera flops, gráficos, fps, etc) isso criou uma rivalidade enorme entre as duas. A Nintendo ficou no Blue Ocean (oceano azul, lugar mais calmo onde empresas tentam evoluir seus conceitos sem se preocupar com várias concorrências), tentando ir atrás de inovações e de coisas novas, assim surgiu os sucessos como Wii, 3DS e Switch.

Diferenças de gestão
Diferenças de gestão

Apesar de muitos executivos das empresas elogiarem concorrentes e até mesmo elogiarem jogos de concorrentes, vivemos um tempo em que a “cegueira” atingiu a visão de muitas pessoas. Até hoje empresas soltam coisas para inflamar um pouco essa tensão, e a mídia como gosta de acessos, usa-se de recursos para aumentar essa raiva de ambos os lados (como alterar títulos, conteúdos, etc).

O que potencializou muito tudo isso foi a Internet, antigamente quem reclamava de algo, ou tinha opiniões fortes, geralmente se juntava em “tribos” com os mesmos gostos, mas essas tribos não tinha voz forte mundo afora. Como a Internet veio para unir as pessoas, essas tribos com essas ideias foram ficando maiores e acabou-se que o que tinha de ruim também no ser humano foi potencializado, e hoje qualquer um com um teclado consegue criticar e desejar a morte de uma empresa ou um jogo, simplesmente porque ela gosta de outra marca.

Tamo vendo essa violência ai Bison rs
Tamo vendo essa violência ai Bison rs

O grande problema, é que essas opiniões acabam virando “torneios” de quem grita mais alto, já que nenhum dos lados quer parar e pensar, poxa, por qual razão estamos discutindo isso, isso e aquilo? Que tal comprarmos uma pizza e jogar sem ficar pensando em teraflops, 4K ou fps?

Mas como não vivemos num mundo ponderado, o jeito é torcer para que no futuro, os jogadores vejam, que realmente o que importa é jogar e se divertir. E cada vez menos, não nos importarmos com toda essa raiva afora, aquela velha frase, “não alimente os trolls” rs… (há inclusive estudos e reportagens sobre por que as pessoas são tão agressivas na internet).

Quadrinho que representa a coragem dos trolls na Internet
Quadrinho que representa a coragem dos trolls na Internet

O problema não está em gostar mais de uma plataforma do que a outra, mas sim em não concordar, propagar coisas ruins e até mesmo odiar a marca rival, isso sim é um problema que devemos refletir.

Finalizo a publicação com uma frase do Tim Berners Lee criador do WWW.
“The web is a — primarily neutral — tool for humanity. When you look at humanity you see the good and the bad, the wonderful and the awful. A powerful tool can be used for good or ill.”
(A web é uma ferramenta – principalmente neutra – para a humanidade. Quando você olha pra humanidade, você vê o bem e o mal, o maravilhoso e o terrível. Uma ferramenta poderosa pode ser usada pro bem e pro mal.)

Referências:
www.pcmag.com
revistagalileu.globo.com

Bom pessoal, por hoje é só.
Abraços e até a próxima.

About Dan_Atilio

Analista e desenvolvedor de sistemas. Técnico em Informática pelo CTI da Unesp. Graduado em Banco de Dados pela Fatec Bauru. Entusiasta de soluções Open Source e blogueiro nas horas vagas. Autor do projeto Terminal de Informação, onde são postados tutoriais e notícias envolvendo o mundo da tecnologia.

4 comentários em “Entendendo a raiva por trás do Console Wars

  1. É sr. Daniboy, como sempre material de qualidade, parabéns!

    E se me permite complementar, infelizmente alguns seres humanos sentem a necessidade de se mostrar superior aos demais, mesmo que isso não depende dele próprio ou não mude nada em sua vida. Como você mesmo disse acima é algo extremamente tóxico tanto para si mesmo, quanto para quem também faz parte do ambiente. E no final das contas, quem perde é a própria pessoa.

    Abraços!

  2. Olá Daniel, “achei a sua postagem horrível, fraca desconexa e sem sentido de existir…” Hehehe brincadeiras a parte o texto foi ótimo. Me lembrou muito a infância quando ia alugar fitas do “turbo game” e sempre tinha alguém espreitando para dizer “olha só master system é bem melhor.” isso perdurou até o Snes quando o dono de uma locadora tentou com unhas e dentes me fazer comprar um Mega Drive e não o Snes. Felizmente não senti mais isso na era PS1. Não sei bem se por uma mudança nas pessoas ou na quantidade de importância que passei a dar para isso.

    Valew o texto parabéns.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: