Análise Jogo Brasileiro – Momodora: Reverie Under the Moonlight

Análise Jogo Brasileiro – Momodora: Reverie Under the Moonlight

Salve salve pessoal…

Hoje trago para vocês a análise do jogo Momodora: Reverie Under the Moonlight (ou Momodora 4), abreviado como Momodora RUTM, feito pela Bombservice e publicado pela Playism.

Introdução

Momodora é uma série de jogos, sendo que o Momodora: Reverie Under the Moonlight é o quarto jogo da série, mas os eventos antecedem o primeiro game da franquia Momodora. O jogo é no estilo Metroidvania (jogo com visão lateral – side scroller, não linear, com exploração e melhoria de itens), no jogo você controla a sacerdotisa Kaho, que busca finalizar uma maldição que está corrompendo a Terra em maldade.

Momodora: Reverie Under the Moonlight
Momodora: Reverie Under the Moonlight

Kaho utiliza uma folha sagrada para os ataques principais, um arco e flecha para ataques secundários, e alguns itens e feitiços que podem ser usados durante a jogatina.

Uma observação, é que quando eu pesquisei sobre o jogo, a minha surpresa foi que, apesar de ser brasileiro, o jogo tem bastante reconhecimento no exterior.

Diálogo com personagem
Diálogo com personagem

Enredo

Os eventos de Momodora RUTM se passam 400 anos antes do primeiro Momodora, nessa estória você controla a sacerdotisa Kaho, que viaja para o reino de Karst procurando uma forma de parar a maldição que trouxe o mal para a terra que se espalhou pelo mundo, afetando inclusive seu vilarejo, Lun.

Enfrentando um inimigo, com um item escondido abaixo
Enfrentando um inimigo, com um item escondido abaixo

Kaho parte em busca da rainha para ver se ela sabe de algo sobre a maldição, e no caminho encontra alguns aliados e diversos inimigos como bruxas, fantasmas e monstros.

Ao chegar na cidade de Karst, Kaho descobre que a fonte de toda a maldição é a própria rainha, assim ela deve conseguir quatro pedaços de um brasão para abrir o Castelo de Karst e tentar parar a rainha.

Lubella, uma das chefes do jogo
Lubella, uma das chefes do jogo

Som

Na parte sonora do jogo, algo a se ressaltar são os efeitos sonoros, desde os sons emitidos por personagens em diálogos, lutas ou até mesmo na morte da Kaho. Se eu parar e imaginar consigo me lembrar do som ao subir escadas, do som ao soltar flechas e até mesmo do som ao desviar de inimigos.

Alguns inimigos também tem um efeito sonoro bastante memorável, como algumas bruxas que ao soltar uma magia contra a Kaho, soltam um som como se fosse uma risada.

Arte de Kaho contra uma das chefes
Arte de Kaho contra uma das chefes

Em contrapartida dos efeitos sonoros, a música do jogo infelizmente passa batida, não sendo muito memorável, não que seja ruim, porém não deixa aquela marca (algo que geralmente é comum em jogos no estilo Metroidvania). Acho que as músicas que lembro, são as das batalhas contra os chefes e a de encerramento do jogo.

Gráfico

O gráfico do jogo é feito em Pixel Art, e utiliza a engine do GameMaker: Studio.

Esse é um ponto alto de Momodora, se você gosta de jogos em Pixel Art, a riqueza de detalhes que existem é surpreendente, desde coisas pequenas, como por exemplo, ao pular e soltar uma flecha, a Kaho fica em posição como uma exímia arqueira, ou quando se usa o pulo duplo e você vê folhas saindo dos pés da personagem, até mesmo na animação dela andando você nota a qualidade no desenvolvimento dos desenhos.

Riqueza de detalhes no jogo
Riqueza de detalhes no jogo

Outro ponto a se ressaltar do game, são os detalhes da ambientação, como no começo do jogo quando se está em uma caverna, e você vê uma lacraia gigante andando atrás da caverna, ou quando se está embaixo da água e vê um brilho da luz chegando, isso passa uma sensação de capricho no desenvolvimento do jogo, essa atenção nos detalhes, gostei bastante.

Eu joguei no Xbox One, e nele não ficou na tela cheia (proporção 4:3), ficou com duas faixas pretas, uma no lado esquerdo, e uma no lado direito. No começo estranhei, mas depois me acostumei e não é nada que estrague a experiência do jogo.

Controles

Os controles do jogo são precisos, e respondem bem, sendo que existem os seguintes comandos:
– LB: Mudança de item passivo
– RB: Ataque com arco e flecha
– Analógico Esquerdo / Direcional: Movimentação da personagem
– A: Pular
– B: Esquivar dos ataques
– X: Atacar
– Y: Utilizar item passivo

A parte de combos é bastante legal, contendo um combo simples ao pressionar o botão de ataque, podendo ser combinado com o ataque a distância com arco e flecha. O ataque a distância com arco e flecha, lembra o sistema de Megaman, onde você pode carregar o tiro, e soltar mais flechas ao terminar de carregar.

Descansando um pouco rs
Descansando um pouco rs

Eu gostava muito de carregar as flechas e soltar, mas ao usar a esquiva, ou subir em escadas por exemplo, o carregamento é interrompido, então não ache que vai ser tão fácil ficar soltando ataques carregados assim nos inimigos rs.

Outra sistemática bem interessante do jogo, é que existem dois tipos de item, os Itens Passivos, que são utilizáveis e acabam, como por exemplo, aumentar a força, usar bolas de energia em volta da Kaho para protegê-la, etc… Esses itens são limitados, e em uma partida você não poderá utilizá-los sem parar. Podem ser equipados até 3 simultaneamente.

Os outros itens são os Itens Ativos, que são eternos e não acabam, como por exemplo, soltar fogo ao atacar os inimigos, soltar flechas envenenadas, etc… Esses itens, ao serem equipados, são usados de forma ilimitada. Podem ser equipados até 2 simultaneamente.

Ambos os itens podem ser comprados ou encontrados durante a jornada da Kaho.

Item Secreto
Item Secreto

Diversão

Jovens, Momodora RUTM tem um desafio fora do comum, fazia tempo que eu não morria em um jogo apenas com 3 pancadas rs… E sim, eu subestimei o jogo, eu achei que era fácil, e pimba, morri logo no começo rs… Depois de um tempo, me acostumei com o sistema de itens e de esquiva, porém é sim um jogo difícil no começo, mas não um difícil desanimador, mas sim aquele que te estimula a melhorar e vencer, assim como jogos antigos de 8 e 16 bits.

Personagem que você entrega os insetos
Personagem que você entrega os insetos

Um ponto também que achei muito bom nesse jogo, é ao salvar, o jogo restaurar todos os itens ao máximo do inventário, por exemplo, se você tem 3 itens de recuperar a vida, e usa todos, ao encontrar um local para salvar, automaticamente os 3 itens são recuperados e você pode usá-los novamente.

Outro fator que impacta positivamente no jogo é ele ser um jogo Metroidvania não linear, assim você tem elementos como conversas com outros personagens para descobrir dicas, um vasto mapa para ser analisado, e até mesmo colecionáveis (aqui são insetos) que você deve entregar para um personagem na área do jardim.

Caso você seja um jogador que goste de fazer 100%, você pode demorar um pouco para zerar. Eu zerei o jogo na dificuldade normal, em aproximadamente 5h e pouco, e eu tinha feito 97% do mapa. Já dos insetos colecionáveis, de uns 20, devo ter conseguido uns 3 ou 4 rs…

Mapa do jogo com 100%
Mapa do jogo com 100%

Outras informações

Para os caçadores de conquistas / troféus, eu sem querer descobri uma conquista que acho que deva ser um bug do jogo. Ao finalizar o jogo, será mostrado uma pergunta, se deseja começar novamente porém com os itens que você possui, se você for no Não, você para no seu último save. No meu caso, o último save, era uma sala antes do último desafio, e como eu já tinha pegado o jeito, zerei novamente para agora sim ver o que a opção Sim faria, e ao zerar, pipocou duas conquistas na tela, uma de zerar sem matar adversários simples, e a outra de zerar sem levar nenhum dano.

Outro ponto, é que somente enfrente o último desafio após melhorar a folha que Kaho usa na jornada, a melhoria deixa a folha com a coloração verde, para melhorar, vá na área mais alta do mapa (com exceção dos cômodos que antecedem o último desafio), e consiga o item de usar o poder do vento. Depois se teleporte para a área que ficam as fiéis, e siga para esquerda, até encontrar uma área em que dê para passar como gato, mas que esteja bloqueada, e use então o item na casinha acima desse bloqueio. Depois disso, vá para área secreta e mergulhe a folha para ela ser melhorada. Do contrário, se você enfrentar o último desafio e vencer, mesmo assim você morre e volta no último save.

Próximo do último desafio
Próximo do último desafio

Preço

Na Steam, o jogo está R$ 19,99, Clique Aqui para saber mais.

Na PSN, o jogo está R$ 30,90, Clique Aqui para saber mais.

Na Xbox Live, o jogo está R$ 19,00, Clique Aqui para saber mais.

Arte de Kaho contra Lubella
Arte de Kaho contra Lubella

Considerações Finais

Uma coisa que me chamou a atenção, tanto nos detalhes gráficos como no enredo, é que a estória criada envolve não apenas o “bem contra o mal”, mas sim criações culturais como a abordagem da religião (existe até um trecho do jogo com menção sobre dízimo), e é nítido a inspiração em jogos da série Castlevania, resultando em um excelente trabalho.

Se você gosta de jogos não lineares no estilo Metroidvania, recomendo fortemente o Momodora RUTM, sendo um jogo desafiador, com uma qualidade excepcional e bem divertido (para vocês terem noção, eu zero um jogo por vez, e eu estava zerando outro jogo, e ao experimentar o Momodora, não quis mais saber dos outros jogos até zerar esse rs).

Bom pessoal, por hoje é só.
Abraços e até a próxima.

About Dan_Atilio

Analista e desenvolvedor de sistemas. Técnico em Informática pelo CTI da Unesp. Graduado em Banco de Dados pela Fatec Bauru. Entusiasta de soluções Open Source e blogueiro nas horas vagas. Autor do projeto Terminal de Informação, onde são postados tutoriais e notícias envolvendo o mundo da tecnologia.

2 comentários em “Análise Jogo Brasileiro – Momodora: Reverie Under the Moonlight

  1. Muito bom senhor Daniel, mais um jogo que fiquei com vontade de jogar.

    Matéria excelente, bem detalhada meus parabéns.

    Abraços!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: