Crônicas de um ex Consultor – O dia que fui expulso do Cliente

A primeira vez a gente nunca esquece rs…

Logo que virei analista na TOTVS, comecei a ir para clientes, e eu tentava dar meu máximo em todos os projetos. Acontece, que eu não sabia muita coisa, de programação tinha poucas noções, mas de regras de negócio não sabia nem o que era TES (algo essencial para quem vai fazer customizações de Back Office).

Eis que um coordenador de projeto, me aloca em um cliente de iogurtes, e nesse cliente eu fui com o Ovelha, para desenvolver um relatório de posição financeira. A título de curiosidade, o Ovelha falou para mim, “Atilio, quando chegar lá, não fala Danone, fala Iogurte hein!”, e não deu outra jovens, já cheguei dando vaza no projeto, falei pro cara “Nossa eu sempre comprei danone da marca de vocês lá em Bauru” rs…

Você disse iogurte?

Enfim, acontece, que esse cliente estava em uma situação delicada com o projeto, então tinha que ser extremamente bem feito o trabalho. Então conversei com o Ovelha, e perguntei pra ele de que tabela eu pegava as movimentações, e ele me disse SE5.

Mas era meu terceiro projeto, eu não sabia nem o que era Títulos a Pagar e a Receber rs… O Ovelha teve que resolver outras questões, e acabou que tive que focar no relatório de posição financeira.

Eita….

Fui e fiz uma query na SE5, e trouxe os valores lá, separando por dia, mas como eu não conhecia a tabela, não considerei baixas, receber, pagar, cheques, naturezas, etc… Então ficou uma maçaroca rs…

Pra ajudar, no cliente, quem cuidava do financeiro, era a mulher do dono, e o que ela pediu pro coordenador, “Não quero mais esse gordinho cabeça de pamonha aqui no projeto”.

Fora!

Confesso que fiquei triste, me senti um fardo para a equipe, conversei com o coordenador e com os analistas, pedi desculpas para eles. Falei pro coordenador para abonar as horas gastas, e nesse dia em diante, prometi que iria estudar mais e mais e que não seria mais expulso de nenhum cliente.

Me Perdoa?

Acabou que graças a Deus, em todos os outros projetos que passei (pelo menos até onde sei rs), os clientes gostaram de mim, e inclusive nessa mesma empresa que fui expulso, atendi eles uns 4 anos depois, com o Carburador (vulgo Ursinho Pimpão), porém apenas na parte do estoque e produção.

Esse é um artigo da coluna, Crônicas de um ex Consultor, se você gostou, deixe um comentário que irei publicar outras histórias no futuro.

Bom pessoal, por hoje é só.

Abraços e até a próxima.

Dan Atilio (Daniel Atilio)
Especialista em Engenharia de Software pela FIB. Entusiasta de soluções Open Source. E blogueiro nas horas vagas.

10 Responses

  1. Armando Neto disse:

    Bom dia Atílio.
    História bacana.
    Me coloco nessa situação: Quem nunca…?
    Obrigado por compartilhar.

  2. Renato José Damasceno disse:

    É isso aí Atílio. Quando tudo vai bem os louros não aparecem, mas tudo vem para o nosso crescimento. Parabéns por compartilhar isso. Acho que tive melhor sorte nos meus primeiros empregos e não tenho estória para contar.

  3. Fábio Alves Carneiro disse:

    Sabe Atílio…. nus Istadus Unidus é muuuito diferente…. lá os consultores não são expulsos do projeto…. (Mas os iogurtes de lá eram muito bons!!!! kkkkkkk)

  4. Djalma disse:

    Parabéns pela sua coragem em expor essa história e pela sua resolução em melhorar. Talvez se não fosse este episódio você não seria o gênio que é hoje e não estaria ajudando a tantas pessoas com este site.

  5. tgmspawn disse:

    Eita que quem não tem uma dessas não pegou os melhores clientes né?

    Parabéns pelo site e pela sua história completa. Esses causos também moldam a gente.

    Eu tenho uma onde fui expulso mesmo.
    Meses de TOTVS só, mas já era consultor/desenvolvedor a anos.

    Por me desentender com a dona/financeiro.
    Na verdade ela não foi muito com a cara de um cabeludo com pinta de largado trabalhando pra ela, b no dia que ela tava recebendo uns engravatados (fornecedores ou clientes, não sei). E eu tava trabalhando bem na frente da sala dela.

    Depois de um almoço de 15 min no refeitório da empresa eu estava lá, era intervalo, mas queria adiantar o serviço. A sala tava escura, eu mal sentado, hipnotizando umas queries com um balde de café e fone de ouvido no máximo.

    Ela questionou minha postura, minha camisa preta desbotada de banda, me perguntou o que eu estava fazendo, por que usava meu note e não a máquina da empresa, e porque eu tinha conectado um segundo monitor que estava com webmail aberto.

    Eu larguei os puddles pra cima dela, explicando com fofura não tinha como desenvolver na máquina deles, que pedi permissão pra usar o segundo monitor, que internet era importante pro meu trabalho, e que eu usava o e-mail para responder os usuários da empresa dela mesma.

    Ela saiu resmungando e eu liguei na hora pro coordenador explicando as coisas e dizendo que tava saindo pq não havia clima.

    Ela ligou pra ele em seguida e pediu pra eu nunca mais aparecer lá.

    Mas a moça da contabilidade, que era quem conhecia de Protheus lá, continuou pedindo agendas minhas remotas.
    Só que nas primeiras não podia chegar ao conhecimento dela que era eu.

    Em suma, ela ainda contratou muito serviço meu depois disso, mas não sabia.

    Mas Aprendi com isso que é importante um pouco de postura pra causar a primeira impressão.
    Então, nas primeiras visitas, vou de camisa de botão, engomadinho e tals.
    Depois de entregar uma ou duas features, conseguir a confiança no meu trabalho, aí posso ser eu mesmo mas próximas visitas.

    • Dan_Atilio disse:

      Opa, valeu pelo comentário jovem.
      Realmente, quem nunca foi expulso ou teve desavença alguma vez né? rs
      Sua história também, já vi muitas empresas com políticas parecidas rsrs… fazer o que né, acabam olhando a aparência ao invés da experiência.
      Obrigado pelo comentário.
      Grande abraço.

Deixe uma resposta