A história do Kurumin

Hoje trago a história da famosa distribuição brasileira Kurumin.

Cenário de distribuições Linux no Brasil antes do Kurumin

No Brasil, quando o movimento Open Source começou a ganhar força no mundo com o nascimento de várias ferramentas e do kernel Linux, algumas empresas olharam para cá, já outras começaram a trabalhar e se aperfeiçoar.

Uma dessas empresas foi a Conectiva, que criou uma distribuição Linux (similar as distros SUSE e RedHat) tanto para Desktop quanto para Servers. E a empresa acabou sendo comprada pela Mandrake em 2005 e formando o extinto Mandriva.

Conectiva

Mas depois do Conectiva, poucos projetos ganhariam a atenção do público, lembro que tivemos uma ou outra distro BR como a Kalango Linux.

O projeto Kurumin

Em meados de 2004 o Kurumin 4.0 começava a circular na internet, sendo uma iniciativa do pessoal do Guia do Hardware (sob o comando de Carlos Morimoto).

A distribuição era um fork do Knoppix, e era extremamente leve e enxuta, rodando bem em PCs pouco potentes. Lembro que meu irmão chegou a instalar no PC de casa, e foi o meu primeiro contato com o mundo Linux.

Kurumin 7.0

Ela seguiu o desenvolvimento até meados de 2008, sendo a última versão estável a 7.0. Mas ela foi descontinuada, e no texto oficial do site, existe esse trecho:

“Apesar de ter feito um grande sucesso e ter sido durante algum tempo uma das distribuições mais usadas no país, o projeto acabou falhando em atrair um grupo de desenvolvedores interessados em participar de forma ativa do desenvolvimento. Este e outros fatores (entre eles a justificada cobrança em torno de novos recursos e melhorias) acabaram fazendo com que o projeto fosse descontinuado em janeiro de 2008.”

Lembro que algumas das novidades do Kurumin, foi o fato de rodar diretamente do CD (Live-CD) e também de trazer uma suíte para instalar facilmente aplicativos (quem pegou os primórdios lá do Slackware sabe como era punk rs).

Kurumin teve continuação?

Houve sim uma tentativa de criar um “sucessor espiritual” (entre 2008 e 2009) para o Kurumin, chamado de Kurumin NG, sendo comandada por Leandro Soares.

No começo parecia que o projeto seria promissor, mas depois de um tempo, a distribuição acabou gerando muitas expectativas e não atingiu o retorno esperado e foi rapidamente cancelada.

Eu cheguei a instalar em uma máquina virtual, porém achei a performance muito ruim da distro.

Kurumin NG

E hoje, como estão as distribuições brasileiras?

Hoje no Brasil possuímos várias distros, sendo algumas mais famosas, e até reconhecidas internacionalmente. Com certeza todo o trabalho feito lá atrás com o Conectiva Linux e com o Kurumin, inspiraram gerações de programadores, assim como a própria evolução de ferramentas e das distros mais famosas.

Das distribuições brasileiras ainda em atividade, podemos destacar:

E você, conhecia a história do Kurumin? Deixe nos comentários.

Update (05/09/2020):

O grande Jorge Orlando nos mandou algumas fotos do Kurumin e Kokar que ele tem até hoje como uma das relíquias de sua coleção.

Confira que belezinhas:

Referências:

Bom pessoal, por hoje é só.

Abraços e até a próxima.

Dan Atilio (Daniel Atilio)
Especialista em Engenharia de Software pela FIB. Entusiasta de soluções Open Source. E blogueiro nas horas vagas.

2 Responses

  1. Usei o kurumin no meu computador pessoal por vários anos, usei no trabalho para muitas coisas, inclusive como servidor, com ele aprendi a usar o samba, o iptables e o squid. Era muito bonito o KDE na época as crianças gostavam muito do kurumin e até me falavam esse computador é diferente. Tenho o CD do Kurumin e do Kokar que comprei no Guia do Hardware como lembrança.

Deixe uma resposta