Entrevista – Ernesto Haberkorn (Empresário, fundador do ERPFlex e Cofundador TOTVS)

Se hoje você usa o Protheus, é por causa desse homem. A entrevista de hoje, é com o grande Ernesto Haberkorn o precursor da história da TOTVS.

Desde quando eu comecei a trabalhar com o Protheus, tive uma certa curiosidade de conhecer o Ernesto, primeiro pela admiração por todo o trabalho que ele construiu, tanto quanto pela pessoa que é, que inclusive está na ativa e tem uma série de vídeos muito interessantes no YouTube.

Então, quando ele topou essa entrevista, até comentei com minha esposa, e a minha alegria e emoção foram às alturas.

Espero que gostem da entrevista.


Daniel: Olá Ernesto, primeiramente é uma honra tê-lo aqui no Terminal de Informação.  Você poderia nos contar um pouco como foi sua trajetória e o surgimento de seu interesse por tecnologia?

Ernesto: Na verdade eu fiz o curso Superior de Administração de Empresas, na FGV (1961 a 1964). Já pensava em ter, um dia, um negócio próprio. E o que me fez entrar na área de tecnologia foi que, no meu primeiro emprego, em uma grande empresa (DECA Artefatos de Metais), estava eu desenvolvendo, manualmente, todo um processo de cálculo de Custos, super trabalhoso, quando um gerente da empresa me convidou para ir até a IBM e ver onde eles faziam a emissão das Notas Fiscais.

Era um computador modelo 1401, um dos primeiros da IBM. As notas saiam voando da impressora, tamanha era a velocidade do processamento. Nunca fiquei tão impressionado. E ele me explicando que tudo aquilo rodava baseado em um PROGRAMA DE COMPUTADOR.

Mostrou-me o código, linguagem Assembler, onde cada passo do processo era representado por um comando e dois endereços. O que mais me impressionou foi o comando IF. Com ele o computador tomava uma série de decisões, claro, definidas pelo programador. (O computador é uma máquina que pensa!)

No mesmo dia me inscrevi em um Curso de Programação, na Systems, uma escola que na época ficava na Avenida Paulista. Desde então, desde 1965 até hoje, não passei um dia sequer sem me debruçar, pelo menos por alguns minutos, em cima de um programa que está gerando um problema (dando PAU, como falamos!). E haja problemas, quer dizer, PAUS!

Veja o anúncio do curso.

Anúncio do curso

Daniel: Falando ainda em tecnologia, como foi iniciar um ERP aqui no Brasil? Quais foram os principais desafios encontrados na época?

Ernesto: Na época o ERP era chamado de Sistema de Gestão. Da DECA fui para a Metal Leve (IBM 1620), depois Honeywell Bull (Gama 10) e ESC-Siemens (RCA/135, similar ao IBM /360).

Sempre como programador. E nesta última é que nasceu verdadeiramente o SIGA – Sistema Integrado de Gerência Automática. E em 1974, com o encerramento das atividades da ESC-Siemens, nasceu a tão sonhada empresa própria: SIGA, que em 1983 virou, já tendo o Laércio Cosentino como sócio e Presidente, Microsiga e próximo ao IPO, em 2006, com a fusão da Logocenter, virou a TOTVS.

O grande desafio de um ERP é que cada gestor quer tratar a mesma coisa de forma diferente. Hoje, no ERPFlex, empresa que criei em 2007, temos mais de 500 parâmetros, que definem a vontade de cada um. Isso fora o tratamento da nossa complexa legislação tributária. Cada venda, cada compra tem sua própria regra. No ERPFlex, que hoje processa os dados de mais de mil empresas, temos a Regra Fiscal. É uma tabela de decisão programada para definir como se calcula o ICMS, ICMS-ST, IPI, PIS, COFINS, IRRF, CSLL, ISS, INSS e II de cada item de uma nota fiscal.

Daniel: Como você enxerga a evolução do antigo sistema SIGA, até virar Microsiga e depois TOTVS?

Ernesto: Depois do Assembler, com a chegada da microinformática, houve grandes inovações tecnológicas. Grandes mestres me ensinaram e ajudaram muito em toda essa evolução: Jorge Queiroz, Weber Canova, Ary Medeiros e Akira (que trabalham comigo até hoje), entre muitos outros. Fizemos o Clipper, que substituiu o DBase, aceitar SQL, apresentar telas que lembravam o Windows e depois, com o AdvPL, rodar em duas camadas, Cliente e Servidor. Foi criado também o RdMake, que permite ao usuário do Protheus desenvolver seus próprios programas, o que permitiu que os próprios clientes melhorassem ainda mais o sistema. No final da década de 90 surgiu o AdvPL (Advanced Protheus Language), a primeira linguagem de programação genuinamente brasileira e talvez hoje a mais usada por aqui, devido à grande base de clientes da TOTVS. De 2007 para cá não sei dizer quais são as grandes evoluções, pois já não faço parte da equipe de programadores da TOTVS.

Mas posso dizer do ERPFlex, que nasceu após este período, é o primeiro ERP na nuvem, 100% Cloud Computing. Isto é, roda no Navegador; o usuário tem acesso ao sistema independentemente da máquina que usa, não é lá que está o sistema. O repositório de programas é único para todos eles, o que dá uma série de vantagens aos clientes. Um erro no software tem que ser corrigido imediatamente e as novas versões são rapidamente assimiladas. E roda num Data Center, o usuário não precisa ter seu próprio Hardware (a não ser o micro). O ERPFlex foi inicialmente concebido com PHP no Servidor e Flex na estação. Mas em 2014 veio a bomba. O Flex não vai mais rodar nos navegadores disponíveis no mercado: Chrome (Google), Edge (Microsoft), Firefox, entre outros). Porquê? Até hoje não se sabe ao certo. Talvez porque é compilado (traduzido para um código ilegível) de forma que as “Stores” (lojas de aplicativos) não sabem o que estão vendendo ou, quem sabe, e isso é lenda, porque a Adobe não quis programar o tradicional PDF para o Apple II, praticamente a primeira máquina desenvolvida por Steve Jobs. Afinal, foi ele o primeiro a proibir que produtos escritos em Flex/Flash não poderiam mais ser vendidos nas “Apple Stores”, justificando que era impossível saber o que eles de fato faziam, porque eram compilados. Mas o Android, logo depois, se juntou ao IOS. Tivemos que migrar, na parte do cliente, para Java Script com HTML5. E nessa migração foram criadas novas funcionalidades: o Ernestinho, um Chatbot/Assistente virtual que responde a inúmeras perguntas interessantes, o Flexcel, FlexDB, FlexSQL e FlexPrint que ajudam na customização do sistema pelo próprio usuário, permitindo assim a criação de subsistemas dentro do ERPFlex. Não usamos mais o Flex, mas mantivemos a sigla Flex…de Flexível…é o usuário que ajusta o sistema às suas necessidades.

A verdade é que a evolução é muito grande em quase todos os softwares. E a evolução tem dois caminhos: a parte tecnológica, que envolve telas mais elaboradas, velocidade, riqueza de recursos, facilidade de uso, acesso por vários tipos de equipamentos (impressoras na época dos mainframes, terminal, microcomputador, celular, comando de voz e talvez um dia um chip instalado em nossa cabeça que entende o que falamos e nos respondem em viva voz.

O outro caminho é o sistêmico: é lei que muda toda hora, cada Estado com as suas; informações mais complexas e abrangentes; acesso direto ao cliente, ao fornecedor e ao governo e quem sabe um dia o próprio ERP tomando todas as decisões estratégicas da empresa, com o uso da Inteligência Artificial e o Data Science

Daniel: Você faz tanto projetos profissionais como projetos por hobby?

Ernesto: Por Hobby tenho o projeto “ERP em Sala de Aula”. É um exercício, bem completo, simulando o dia a dia de uma empresa, claro, usando o ERPFlex, distribuídos a quem quiser conhecer como um ERP ajuda na gestão de uma empresa. Leva umas 20 horas para ser realizado, o aluno recebe uma apostila e acesso a uma empresa fictícia, e uma vez por semana temos as “lives” onde tiro as dúvidas que possam surgir. Tudo via o site do ERPFlex (www.erpflex.com.br). E finalizamos com um Jogo de Empresas. Tem também um “chat” onde aluno conversa diretamente comigo. A qualquer hora, desde que eu esteja acordado, é claro! Também é fornecido para inúmeras faculdades de Administração, Ciências Contábeis, Sistemas de Informação e Ciências de Dados.

Daniel: Quais são os outros projetos que o senhor tem envolvimento? Poderia nos contar um pouco mais sobre eles?

Ainda por hobby faço palestras e vídeos sobre Economia, Tecnologia, Qualidade de Vida e Curiosidades. Os melhores são “Era Deus um bom Analista de Sistemas” ou “Maldita Língua Portuguesa” ou “A vida pós parto” ou “É muito bom ficar rico” ou “Narração Empresarial” ou “O Brasil tem jeito?”. No meu canal no YouTube temos 181 vídeos. E estão também no meu site: www.ernestohaberkorn.com.br

E outra atividade é o NETAS – Natureza, Educação, Trabalho, Amor e Saúde. Lá tenho como sócios o Fábio Abate e a Tarsila, que ministram treinamentos de Liderança e Desenvolvimento Pessoal. E eu toco a parte do NETAS Games, um conjunto de atividades esportivas onde empresas, escolas, famílias, grupos de amigos disputam entre si 8 modalidades esportivas: Voley, Baskete, Futebol, Natação, Corrida, Corrida de Bike, Natação e Jogos de Salão (Tênis de Mesa, Pebolim, Tacobol).

E procuro sempre divulgar nas palestras os 10 princípios do NETAS. No livro “DICAS de como chegar lá”, que pode ser baixado gratuitamente no meu site, SEM SENHA, falo sobre a vida e esses 10 princípios.

Gosto também de escrever sobre programação e sistemas ERP. São 13 livros, sendo o mais importante o “Gestão Empresarial com ERP”.

Daniel: Para quem está começando no mundo da programação, o que é essencial para ser um bom profissional?

Ernesto: Sempre digo que a Humanidade se divide em 2 “raças”: os PROGRAMADORES e o resto!

Quem programa tem sempre o que fazer. E no que pensar. Não importa onde estiver. Hoje, com os micros, você programa nas suas viagens, nas madrugadas mal dormidas, no almoço, até quando está nadando, ou seja, o tempo todo. É uma atividade que preenche o seu cérebro. E toda vez que você vê, na tela do seu computador, o resultado de uma rotina que levou horas, dias, para ser resolvida…você tem efetivamente um “orgasmo mental”. E a vantagem é que isso ocorre independentemente da idade.

Só uma advertência. Cuidado com as evoluções e mudanças da tecnologia. Todo dia sai uma novidade. Se você tentar estar SEMPRE atualizado, aderindo a todas elas, vai mudar toda hora de ambiente. E nunca ficará “fera” em algum deles. Tem ainda muita gente ganhando altos salários utilizando o Cobol. Principalmente nos Bancos.

Daniel: Gostaria de deixar mais uma mensagem motivacional e também as formas de contato, seja para contratação ou divulgando alguma rede social como o YouTube?

Ernesto: Hoje tenho o meu site e além disso atuo em todas as redes sociais

O site: ernestohaberkorn.com.br.

Já para as redes, lá vão os endereços:

Insta: ​https://www.instagram.com/ernesto.haberkorn/

Linkedind: ​https://www.linkedin.com/in/ernestohaberkorn/

Youtube: ​https://www.youtube.com/channel/UCQr7-M-EHYDfuwLLozN0uLg

TwitteErnesto: ​https://twitter.com/ErnestoHaber

Face: ​https://www.facebook.com/ErnestoHaberkornERP

Fisicamente fico na sede da ERPFlex Software, Av. Braz Leme 1399, Casa Verde, São Paulo, SP.

E como mensagens para a Vida, gosto de duas: “Da vida a gente só leva a vida que a gente leva” e “Se eu morrer de tarde, quero ter trabalhado de manhã. Já no dia seguinte…”.

Ernesto e seu livro Dicas de como Chegar lá

Ernesto Haberkorn​, é formado pela Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas. Mestre em Engenharia de Computação no IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Sócio Fundador da Microsiga-TOTVS e responsável pelo Projeto TOTVS Dá Educação. Ex-Presidente da ASSESPRO Nacional – Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação, Software e Internet. Autor de catorze livros na área de TI: Introdução a Análise de Sistemas (1969), Computador e Processamento de Dados (1975), O Computador e a Administração de Empresas (1983), Modelos de Programas em Clipper (1885), Modelos de Programas em Delphi (1990), Teoria do ERP (1999), Contabilidade inside ERP (2000), Genoma Empresarial (2002), Gestão Empresarial com ERP (2004, 4. edição ampliada em 2008), Um Bate-Papo sobre T.I. (2007), Programação AdvPL (2008), Tecnologia de Hardware (2009), ERPFlex-Aprenda Sozinho e DICAS de como chegar lá. Professor em várias faculdades de Administração de Empresas e Sistemas de Informação na cadeira Gestão Empresarial com ERP. Criador do Circuito NETAS – Um novo conceito em Treinamento Corporativo, que mescla Palestras com Dinâmicas Inteligentes e Atividades Outdoor. O NETAS sustenta os princípios da Natureza, Esporte, Trabalho, Amor e Saúde. Atualmente é sócio-diretor da TI Educacional – Cursos e Sistemas, empresa que ministra cursos de Tecnologia da Informação e implementa o ERPFlex – um sistema de Gestão que roda na Web e do SPAventura, hotel fazenda localizado em Ibiúna.


E você, o que achou da entrevista? Deixe nos comentários.

Bom pessoal, por hoje é só.

Abraços e até a próxima.

Dan Atilio (Daniel Atilio)
Especialista em Engenharia de Software pela FIB. Entusiasta de soluções Open Source. E blogueiro nas horas vagas.

6 Responses

  1. Marcelo Zihlmann disse:

    Show de bola Daniel!! Parabéns pelo trabalho!!

  2. Rodolfo Palugan disse:

    Você me surpreende cada dia mais com as entrevistas, uma figura mais lendárias do que a outra kkkk Parabéns por mais esse trabalho, foi uma honra poder conhecer um pouco da história do sr. Ernesto.

  3. Guilherme Camilo disse:

    Sensacional, parabéns Atilio. Já tinha lido um pouco sobre a trajetória do Ernesto, muito inspiradora essa animação e motivação que tem nos seus projetos. Parabéns senhores.

Deixe uma resposta