Entendendo os 2 RPOs do Binário Harpia

No artigo de hoje, vamos entender um pouco como funciona o conceito de 2 RPOs do binário Harpia do Protheus (o conceito de RPO segregado).

Novo Conceito / O que mudou?

Resumidamente, essa nova tratativa no Protheus, serve para separar as fontes padrões em um repositório e os fontes customizados em outro.

Para que quando for necessária alguma manutenção, seja mais fácil para a equipe de TI, direcionar os esforços. Por exemplo, se a TOTVS lançar um novo RPO, basta atualizar a pasta padrão, e assim não irá precisar compilar todas as rotinas customizadas novamente.

Além disso, o RPO padrão disponibilizado agora é multi linguagem, já contendo inglês, espanhol e português.

A TOTVS lançou uma página muito bacana sobre o conceito de RPO segregado, com uma página explicando o funcionamento e 3 vídeos no YouTube demonstrando, abaixo segue o link de cada um:

Como configurar no AppServer o caminho do RPO customizado?

Primeiro, para deixar organizado, crie uma pasta onde você costuma deixar suas pastas “apo” e chame ela de “apo_custom”.

Criando uma pasta apo_custom

Agora, pare os serviços do Protheus, e vá nos arquivos appserver.ini, e na parte do Environment, adicione o RPOCustom, apontando para a pasta criada acima, e dê um nome para o arquivo (no nosso exemplo, será mycustom.rpo).

Definindo no appserver.ini

Por último, suba os serviços novamente, e compile qualquer código fonte, se o arquivo não existir será criado, e se o arquivo existir, será atualizado.

Arquivo do rpo custom

E como fica o processo de compilação?

O processo de compilação não mudou, continua o mesmo, abrir o fonte e apertar Ctrl + F9 ou compilar a pasta.

Para a geração de patchs, consigo ainda gerar um arquivo .ptm?

Consegue normalmente criar arquivos ptm pelo VSCode, porém somente de funções customizadas. Então aquele processo paliativo de gerar patchs de rotinas padrões de um RPO e aplicar em outro, não funciona mais.

Para quem utiliza a troca de repositórios a quente, como fazer?

Antigamente era necessário trocar da pasta apo comum, para quem for usar esse conceito com o RPO segregado, será necessário fazer também para esse segundo RPO customizado.

Para quem usa o TCloud, como fica o procedimento?

Dos clientes que eu atendo, por enquanto apenas 1 que é TCloud que foi para a 33, e ainda estão fazendo alguns ajustes, como é o caso da pergunta acima, sobre atualizar o RPO.

Daniel, eu estou ainda com alguns problemas nos tópicos acima, o que devo fazer?

Como é algo novo, pode ser que existam bugs, por exemplo, teve um cenário, onde caiu a conexão no meio de uma compilação, e tivemos que criar novamente o RPO customizado, além de sobrepor o RPO padrão com o do Portal do Cliente.

O recomendado para esses bugs ou cenários que ainda não foram mapeados, é documentar tudo com prints, e abrir chamados na TOTVS contextualizando para que com o tempo, esses problemas sejam sanados.


Esse artigo foi uma sugestão dos internautas Pablo Luiz e Izaias.

Bom pessoal, por hoje é só.

Abraços e até a próxima.

Dan Atilio (Daniel Atilio)
Especialista em Engenharia de Software pela FIB. Entusiasta de soluções Open Source. E blogueiro nas horas vagas.

Deixe uma resposta