A Evolução dos Sistemas Operacionais Parte 1

A Evolução dos Sistemas Operacionais Parte 1

Bom dia gente. Começo hoje uma nova série de matérias, dividas em 4 partes, sobre a história dos Sistemas Operacionais e Computadores em si, acompanhando a Geração dos SOs (Geração dos Computadores).


Primeiramente, essa série de matérias será dividida em 4 partes, a primeira, irei falar da primeira e segunda geração dos computadores, na segunda parte, irei focar apenas na terceira geração, na terceira parte irei falar sobre a geração atual (a quarta) e na última parte irei mostrar a evolução dos principais SOs (Linux, Windows, Mac OS, etc).

$> Antes das Gerações:
Antes da existência de qualquer computador, já existia um desejo de ter ferramentas práticas que pudessem nos ajudar no dia-a-dia, com isso foram criados equipamentos como o ábaco (2000 a.C.) e a calculadora mecânica Pascal (~ 1600), visando facilitar a vida de pessoas e fazer os cálculos mais rápido do que ficar escrevendo e pensando. Com esse intuito começaram a desenvolver cada vez mais máquinas e equipamentos focados nisso, mas eles eram só mecânicos.

Máquina Pascal
Máquina Pascal

Com a chegada da eletrônica, a tendência foi melhorar esses equipamentos, tornando-os melhores, pois com a mecânica, se tinha uma máquina poderosa, mas não tinha tanto poder de cálculo, juntaram então a eletrônica com a mecânica, e começou a criação de máquinas que uniam ambas, assim surge a primeira geração de computadores.
Essa junção se tornou possível graças ao modelo do John von Neumann. Que criou um modelo de funcionamento que até hoje é usado como modelo e base.

Arquitetura de Von Neumann
Arquitetura de Von Neumann

No ano de 1924 surge a IBM que mais tarde iria se tornar uma grande empresa na fabricação de computadores.

$> Primeira Geração: Geração das Válvulas (Bugs) – 1937 até 1955

Tecnologia: Válvulas (Bugs)

Características: Grande consumo de energia e instabilidade no funcionamento, sendo que ocorreia um super aquecimento devido a muitas válvulas e depois de horas, o funcionamento parava.

Aplicação: Campo científico e militar

Descrição: Nesta geração, não havia um conceito de Sistema Operacional, todo o trabalho era feito com linguagem de máquina (linguagens que interpretavam código binário composto por 0 e 1), pensando nisso e para facilitar a vida de desenvolvedores, surge o Assembly, uma linguagem de programação que fazia a ponte entre a máquina e o programador. Como no início dessa geração não havia uma linguagem de programação que aproximasse o programador do baixo nível do hardware, geralmente quem operava o computador, também fazia as rotinas, e incluia recursos (todos limitados), por código binário.
Pelo fato de não haver S.O., as máquinas só continham instruções para execução de contas específicas, como por exemplo, se um país mandasse uma bomba às 7h da manhã para um outro, que horas iria chegar, com qual velocidade, analisando o clima?… Por isso a Segunda Guerra Mundial propulsou a criação da primeira geração.
Com isso surge o ENIAC, para fazer esses cálculos.
Lembrando que o primeiro computador digital não foi o ENIAC, e foi o Mark 1 (criação da Universidade de Harvard com a IBM).
Uma curiosidade desta geração é de onde e porque vem a palavra Bug, que representa um erro no Sistema. Bom, como os computadores tinham muitas válvulas e elas geravam muito calor, isso fazia com que insetos se aproximassem do computador, com isso se eles morressem e ficassem travados em alguma válvula, o computador parava de funcionar, por isso que quando há algum erro, se usa até hoje o termo Bug.

Exemplos: ENIAC, Mark 1, UNIVAC, IBM 650 e IAS são alguns exemplos.

ENIAC
ENIAC
IAS e John Von Neumann
IAS e John Von Neumann

$> Segunda Geração: Geração dos Transistores – 1955 até 1965

Tecnologia: Transistor (TRANsfer + reSISTOR ~ Resistência de Transferência)

Características: Maior potência e confiabilidade, menor consumo de energia.

Aplicação: Área científica, militar, administrativa e gerencial

Descrição: Aqui surge o conceito de S.O., por causa da programação em Batch.
E o que seria a programação em Batch? Como funciona? Simples, a programação em Batch (ou Lote), separa várias instruções/comando em um único lote, no qual essa instrução é executada em uma ordem correta.
Nessa geração, era muito usado os cartões perfurados, com eles se inseriam programas, e na ordem correta, o programador inseria os cartões no Computador que lia todos os cartões e executava o programa pretendido.
Apesar disso, nessa geração, o surgimento de S.O., era único e vinculado a apenas um micro, por exemplo, eu crio um S.O. somente para rodar na máquina X da empresa Z, então, um S.O. não era feito em grande escala e com grande suporte, ou com foco em ser usado por inúmeros usuários.

Exemplos: IBM 1401, IBM 7094 são alguns exemplos.

Sistema em Batch
Sistema em Batch
IBM 7094
IBM 7094

$> Partes Posteriores:
-> A Evolução dos Sistemas Operacionais Parte 2 (Terceira Geração e o Unix)
-> A Evolução dos Sistemas Operacionais Parte 3 (Quarta Geração e o surgimento dos sistemas operacionais para uso pessoal)
-> A Evolução dos Sistemas Operacionais Parte Final (Atualmente e evolução gráfica dos sistemas)

Bom gente, por hoje é só.
Abraços e até a próxima.

About Dan_Atilio

Analista e desenvolvedor de sistemas. Técnico em Informática pelo CTI da Unesp. Graduado em Banco de Dados pela Fatec Bauru. Entusiasta de soluções Open Source e blogueiro nas horas vagas. Autor do projeto Terminal de Informação, onde são postados tutoriais e notícias envolvendo o mundo da tecnologia.

11 thoughts on “A Evolução dos Sistemas Operacionais Parte 1

  1. gostei muito to estou cursando técnico de informatica e vou usar essas informações em um trabalho, então obrigado e continue assim.

  2. Olá, boa noite, seu trabalho esta ótimo, gostaria de usar em um trabalho acadêmico aqui sobre sistemas operacionais, origem, evolução, desde já agradeço!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: